Inicial
 • Quem Somos
  Histórico
  Nossos Produtos
  A Empresa
  Nossos Clientes
  Contato


Você está aqui:

inicial >>Nossos produtos >> Conferências de Busca do Futuro


Conferência de Busca do Futuro (CBF)

CBF - Conferência de Busca do Futuro


O QUE É CBF ?

É uma metodologia participativa de planejamento estratégico de organizações e comunidades, com a particularidade de permitir reunir grandes grupos de até 120 pessoas e deles obter consenso para construir um futuro comum. Ela é eficaz mesmo com a participação de grupos de pessoas com posições totalmente antagônicas. Isto porque as pessoas sabem, em geral o que precisa ser mudado dentro das organizações e das comunidades. Todavia não sabem explicar o "porque" nem como mudar. Não tem habitualmente possibilidade de conversar sobre o assunto com outras pessoas. A CONFERÊNCIA propicia esta ocasião e consegue fazer com que todos os participantes falem e sejam ouvidos. Através do diálogo, as pessoas aprendem que as idéias de mudança não são as mesmas e que é necessário buscar os pontos que existem em comum. Estes são descobertos e conscientizados, por meio da metodologia. A diversidade cultural contribui de forma decisiva para o sucesso do processo. Assim a participação de todas as facções do sistema social envolvido em torno do tema ou atividade a ser planejada, é condição fundamental para o sucesso. Estas facções ou segmentos sociais são denominados "Grupos de Interesse".

PRODUTO

Ao final da "Sessão Central" (o evento principal), obtém um "Plano de Ações", aceito unanimemente. Este "Plano de Ações" será implementado pelos próprios participantes, com eventual auxílio de pessoas dos grupos envolvidos. Geralmente se compõe de 5 a 10 ações importantes, cujas realizações devem ser gerenciadas "Por Projetos".


HISTÓRICO

As "Conferências de Busca do Futuro" tiveram origem na Inglaterra em 1960, num trabalho organizado pelo Tavistock Institute, com importante participação do sociólogo Eric Trist, primeiro estudioso dos grupos auto gerenciados. Da Inglaterra passaram para a Austrália, onde foram sistematizados por Fred Emery e sua esposa. A seguir estudiosos americanos (Sandra Jannoff e Martin Weisboard, entre outros) começaram a usá-las, principalmente na última década, para fazer planificações estratégicas e a criação de visão compartilhada em organizações e comunidades. No Brasil, as Conferências foram inicialmente utilizadas na área empresarial, a partir de 1994. Desde então, a SIEG fez a facilitação das 14 realizadas no país. participantes, estabelece-se o diálogo de Aprendizado Coletivo". .

ETAPAS DA METODOLOGIA:

Etapa A: O "Patrocinador", pessoa física ou jurídica, que tendo significativa influência sobre o Sistema a ser planejado, contrata o "Facilitador" e define com ele, o propósito e o desenrolar da Conferência ("Caderno de Encargos").

Etapa B: O "Patrocinador", assessorado pelo "Facilitador", constitui o "Comitê de Coordenação", responsável pela análise do sistema envolvido, identificação e motivação dos "Grupos de Interesse". Em geral, nas maiorias dos Sistemas Organizacionais, são identificados de 8 a 10 "Grupos de Interesse".

Etapa C: Escolha e preparação dos representantes dos "Grupos de Interesse", por processos definidos pelos respectivos grupos, de forma a assegurar a melhor representatividade. Cada grupo deverá ser representado por 8 a 10 pessoas. As etapas B e C duram aproximadamente 3 a 4 meses.

Etapa D: Realização da SESSÃO CENTRAL (a conferência propriamente dita), com duração de 3 dias, geralmente em "regime residencial". O número de participantes poderá ser entre 80 e 120, conforme o número de "Grupos de Interesse".

Etapa E: acompanhamento da realização das ações decididas.


RESPONSABILIDADE DOS PARTICIPANTES:

  • Preparar-se para a Sessão Central selecionando informações (por exemplo: artigos de publicações pertinentes) sobre o tema e escolhendo um objeto de uso pessoal que empregarão na abertura dos trabalhos como instrumento através do qual se apresentarão aos companheiros da mesa e aos demais membros presentes.
  • assumir publicamente responsabilidade pela seqüência / acompanhamento do trabalho pós Sessão Central.
  • participar ativamente das equipes de projeto, que vão executar as decisões tomadas ao final da Sessão Central.

AGENDA DA SESSÃO CENTRAL (A CONFERÊNCIA PROPRIAMENTE DITA)

  • 1º DIA: Tarde: Foco no passado - Foco no presente: as tendências externas (início)
  • 2º DIA: Manhã: As tendências externas (conclusão) - Foco no presente: "assumindo a nossa parte". Tarde: Cenários ideais para o futuro - identificar bases consensuais.
  • 3º DIA: Manhã: Confirmar bases consensuais - Planejamento das Ações.


"É uma metodologia participativa de planejamento estratégico de organizações e comunidade"

 

"A diversidade cultural contribui de forma decisiva para o sucesso do processo."



© 2014 SIEG - Sociedade Internacional para Excelência Gerencial.

 

SOBE